sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Guia de Viagem Internacional - Google Trips – Aplicativo para organizar a sua viagem


O Google liberou, em 19 de setembro de 2016, um novo aplicativo para facilitar o planejamento das suas próximas viagens. Trata-se do Google Trips, disponível gratuitamente para Android e iOS,  cujo serviço oferece informações sobre passagens, reservas de hotéis, restaurantes e aluguel de veículos, organiza as principais informações para quem vai viajar ou estiver viajando. Oferece dicas de pontos turísticos nas cidades escolhidas e que podem ser acessadas mesmo quando o smartphone ou tablet estiver off-line.

Usuários do Brasil já podem baixar o Google Trips com a conta Gmail, mas, por enquanto ele está em inglês. A interface simples não impede que o aplicativo seja usado por brasileiros. Se você não tem uma conta no serviço de e-mail do Google, pode criar uma nova viagem manualmente. O processo se torna um pouco mais demorado, mas é possível aproveitar a plataforma da mesma maneira.

Ao receber informações sobre o local escolhido, o aplicativo oferece sugestões de alguns pontos turísticos do local. Entre as categorias disponíveis, o usuário pode escolher locais distantes dos pontos mais visitados ou atrações voltadas para crianças. Você pode escolher uma das indicações personalizadas feitas pelo Google. Ao optar por uma da lista, é possível escolher os locais favoritos e visualizar tudo na área "Saved Places". A aba "Day Plans" permite definir a ordem de visita de cada local em um mapa. Assim, é possível escolher os melhores trajetos e economizar tempo durante a viagem. O Google Trips ainda permite fazer um download de todas as informações.
As 200 maiores cidades do mundo contam com guias mais completos, em que o usuário pode escolher as rotas mais populares feitas por outros usuários. Em regiões menores, no entanto, ainda é possível obter sugestões do app. 

Veja mais aqui - Google Trips

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Guia de Viagem Internacional - Atrações imperdíveis


Acesse aqui - Atrações imperdíveis

sábado, 1 de outubro de 2016

Guia de Viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Dicas e informações da viagem a Machu Picchu


A cidade de Machu Picchu foi descoberta pelo historiador e arqueólogo norte-americano Hiram Bingham, em 1911. Caracterizadas pelas grandes pedras com pouco espaço entre os encaixes, as construções originais representam 80% da área atual. O restante foi reformado após o período inca. Considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, a enigmática cidade conta com uma área agrícola, formada por terraços e recintos para armazenar alimentos, e a zona sagrada, com templos, praças e museus. Sua planta aproveita os espaços com escadarias para passagem do sol. Tombado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o sítio arqueológico fica dentro de um território chamado Santuário Histórico de Machu Picchu, que protege várias espécies biológicas ameaçadas de extinção.
Com incríveis monumentos feitos de pedra sobre uma montanha verde de 2.400 metros de altitude, Machu Picchu proporciona um mergulho na misteriosa época da civilização inca, que habitava o Peru antes da chegada dos espanhóis. Lá do alto, você tem uma espetacular vista do Rio Urubamba, que contorna o famoso Valle Sagrado, uma região com terras férteis e vilarejos típicos localizada entre Cusco e Águas Calientes, a cerca de 2.800 metros de altitude.
Todos os caminhos para Machu Picchu passam obrigatoriamente por Cusco, onde se encontra o aeroporto mais próximo, uma linda cidade colonial que, no passado, foi a capital do império inca e está a uma hora de voo de Lima.
Cusco é uma cidade de 500 mil habitantes, a 3.400 metros de altitude, na região dos Andes, que preserva surpreendentes vestígios incas em sítios arqueológicos. O Parque Arqueológico de Sacsayhuaman, por exemplo, é formado por templos, fontes sagradas e o templo de Sacsayhuaman que irradia paz e tem enormes rochas de até 9 metros de altura. Além dessa importante herança, a cidade ainda preserva construções coloniais erguidas depois da chegada dos espanhóis e a cultura dos seus habitantes com roupas coloridas. O passado inca ainda exerce uma influência tão grande no Peru, que o idioma quéchua, falado pela antiga civilização, é uma das línguas oficiais do país. A outra é o espanhol, amplamente falado, o que facilita muito a comunicação com os brasileiros.
O Peru faz fronteira com o Brasil e possui uma gastronomia deliciosa, com muitas receitas à base de frutos do mar, peixes, frango, batatas e milho. Um bom prato peruano fica ainda melhor com uma taça de pisco sour, drinque típico à base de limão e pisco, bebida destilada produzida a partir da uva.

Planejamento da viagem

Guia de viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Aeroportos Lima e Cusco - Informações e traslados


Aeroportos de Lima e Cusco

Guia de viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Hotéis em Lima - Cusco - Machu Picchu


Hotéis em Lima, Cusco e Águas Calientes

Guia de Viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Restaurantes em Lima, Cusco e Machu Picchu


A gastronomia peruana é uma das mais ricas da América do Sul e vem crescendo cada vez mais, principalmente pelo sucesso internacional do seu prato mais típico: o ceviche. Variedades de frutos do mar são encontrados nos melhores restaurantes. A sua batata frita não fica atrás. O Peru produz e exporta mais de 3 mil espécies de batatas. Nativa dos Andes, onde é cultivada há mais de 8 mil anos, a batata é o quarto alimento mais consumido no mundo. O Peru também produz cerca de 300 tipos de milhos (várias cores), que chamam de maiz, utilizados em pratos típicos da região.
Para quem gosta de carnes exóticas, existem várias opções de pratos com a carne da alpaca (parente da lhama) e de cuy, uma espécie de preá brasileira, roedor muito comum no interior do nordeste brasileiro e que se alimenta de capim.
Em Lima é comum ver restaurantes chifa, uma mistura com a culinária chinesa.

Guia de Viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Transportes - Como circular em Lima e Cusco


Como circular em Lima

A cidade não tem metrô, portanto a melhor maneira de circular é de taxi, que são baratos, ou a pé, para caminhadas pelo centro e Miraflores.
Os taxis não têm taxímetro, o valor é acertado com o motorista antes da corrida.
Dicas:
- Veja no mapa a distância que provavelmente vai percorrer. Carros novos cobram mais caro que os velhos. Tenha anotado o nome da rua, o bairro, o número e um ponto de referência;
- Antes de entrar no carro, pergunte ao motorista quanto vai cobrar para ir até o local desejado;
- Negocie o valor;
- Pague com notas pequenas e evite problemas com o troco.

Guia de Viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Dicas de atrações turísticas em Lima

Centro Histórico de Lima
Capital do Peru, Lima está localizada nos vales dos rios Chillón, Rímac e Lurín e banhada pelo Oceano Pacífico, na parte central do país. Junto com a cidade portuária de Callao, forma a Região Metropolitana. É uma cidade que tem se reinventado nos últimos anos, passando de apagada e retraída a uma metrópole com mais brilho e cor. Os próprios peruanos ainda se surpreendem com a transformação da capital de quase 9 milhões de habitantes.
Entre as atrações da cidade, em grande parte culturais, como museus, possui um belíssimo Centro Histórico, restaurado há pouco tempo, onde estão igrejas, monumentos e a elegante Plaza de Armas, herança da época colonial da América do Sul.

Conheça as principais atrações:

Guia de Viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Dicas de atrações turísticas em Cusco


Cusco, para apreciadores da arqueologia, admiradores de monumentos religiosos, amantes das tradições populares, adeptos ao turismo vivencial e aos esportes de aventura, colecionadores de artesanato e observadores de aves.
Cusco era a capital do império inca, que dominou a região por dois séculos. Atualmente, é a capital turística do Peru, recebendo milhares de pessoas de todas as partes do mundo. A arquitetura traz uma mescla de características espanholas do período colonial juntamente com elementos incas. As ruas estreitas, ainda de pedras, conferem um charme pitoresco à cidade, que foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1983. A parte turística não é tão grande e dá para conhecer tudo caminhando.
Por ficar situada a 3.300 metros acima do nível do mar, é preciso aclimatar o corpo à altitude antes de sair explorando a cidade. É recomendável tomar um chá de coca, que todos os hotéis servem como drinque de boas-vindas, que ajuda a eliminar os efeitos do mal da altura (soroche para os peruanos), nos Andes e que se manifesta com enjoos, falta de ar, dor de cabeça e tonturas. Outra alternativa são os caramelos de coca, vendidos em toda a cidade. É só um alerta e não vai atrapalhar o seu passeio. Descanse um pouco e vá desbravar a cidade, caminhando.
Como em qualquer cidade do mundo, tome cuidado com bolsa e carteira. Em Cusco também tem “batedores de carteiras”.
Veja as postagens e mapas neste blog, para não sair do hotel sem saber qual destino seguir.

Principais atrações Turísticas:

Guia de Viagem a Lima, Cusco e Machu Picchu - Dicas de Machu Picchu


A cidade perdida dos incas é um destino que mexe com a imaginação. Não importa se é pela aura de mistério, pelas engenhosas construções erguidas por uma civilização pré-colombiana, pela beleza cênica ou pela soma de tudo, o fato é que todo mundo quer conhecê-la. Patrimônio Mundial da Unesco e uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, a fama de Machu Picchu vem de longe. Ela foi o maior centro administrativo e religioso dos incas, erguido por volta de 1450, por ordem do governante Pachacútec. As ruínas do sítio arqueológico mais importante da América do Sul ficam 2.400m acima do nível do mar, encravadas na Machu Picchu, expressão em língua quéchua que significa montanha velha. A localização foi escolhida de forma criteriosa, no vale do rio Urubamba, com clima propício à agricultura, abundância de água e proteção contra inimigos. Apresentada ao mundo em 1911, pelo historiador americano Hiram Bingham, Machu Picchu é o ponto de partida para um roteiro histórico pelo legado dos incas. Mantém daquela época parte das construções e o posto de personagem principal da história. Mas os coadjuvantes dessa viagem não podem ser desconsiderados: margeando rios, cidadezinhas do chamado Valle Sagrado também mantém vivas estruturas e tradições de seus antepassados. Chegar exige disposição: partindo da capital paulista, são cinco horas de voo até Lima, 1:30 horas voando até Cusco, mais cerca de quatro horas entre ônibus e trem até Águas Calientes, também chamada de Machu Picchu Pueblo pela proximidade com as ruínas. O trecho ferroviário proporciona uma incursão pela paisagem, com direito a janelas que seguem o curso do rio, passeiam entre montanhas e pelas várias terrazas, jardineiras escavadas na encosta, primeiro ícone inca e onipresente no roteiro.

Existem duas opções para chegar a Machu Picchu: de trem ou a pé.